Tântalo e seu terrível castigo

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

mitologia-grega-tantaloAgora vamos conhecer um pouco mais sobre uma importante figura da mitologia grega: Tântalo.

Na lendas gregas podemos encontrar muitos mitos, histórias, deuses, deusas, batalhas, guerras e jornadas incríveis. O fato é que a mitologia é atemporal e desperta muito interesse e fascínio até os dias de hoje.

Segundo a mitologia grega Tântalo era o Rei da Frígia, também denominada Lídia. Ele era filho de Zeus com a princesa Plota e era casado com Dione, que por sua vez, era filha de Atlas.

mitologia-grega-pelops9

Pélops Ombro de Marfim, filho de Tântalo

Para quem não lembra, Atlas ficou conhecido pelo castigo que recebeu de Zeus de ter que suportar o peso do céu nos ombros.

Voltando a Tântalo, existem outras versões que afirmam que ele era filho de um rei chamado Tmolo, da Lídia, que era associado à montanha que tinha o mesmo nome. Tântalo ainda era pai de Níobe, Pélops e Dascilo.

Conta o mito que certa vez, na intenção de desafiar a onisciência dos deuses, Tântalo resolveu roubar um pouco dos seus manjares divinos, visto que ele era sempre convidado a partilhar a mesa com os deuses, já que era tão querido por eles.

Alimentou-se do néctar e da ambrosia roubados e julgou-se uma divindade, desta maneira convidou os deuses para banquetear em seu palácio.

Tântalo decidiu fazer uma oferenda nada tradicional. Para isso ele esquartejou o seu filho Pélops e o serviu no banquete.

A deusa Deméter que estava com a mente um tanto conturbada graças ao rapto de sua filha Perséfone por Hades, acabou comendo o ombro do rapaz.

Percebendo a loucura de Tântalo, Zeus ordenou que Cloto, uma das Moiras, trouxesse Pélops à vida novamente. Já no lugar de seu ombro foi posta uma réplica de marfim feita por Hefesto, deus dos artesãos e escultores.

Leia mais aqui sobre Pélops Ombro de Marfim, o rei do Peloponeso

mitologia-grega-tantalo2Irados os deuses decidiram lançar Tântalo ao Tártaro. Mergulharam-no até o pescoço e deram a ele o castigo eterno de não poder alimentar-se nem matar a sua sede, mesmo rodeado de muita água e vegetação.

Por conta do castigo, a água, mesmo sendo abundante, se afastava quando Tântalo tentava bebê-la e os galhos das árvores se levantavam com a força dos ventos sempre que ele tentava colher algum fruto das árvores.

Esse é o famoso Suplício de Tântalo que se refere a aflição sofrida por aquele que deseja algo que parece estar ao seu alcance, porém é inalcançável. É como diz o famoso ditado: Tão perto e, ainda assim, tão longe.

Pronto! Agora você já sabe um pouco mais sobre Tântalo e seu mito. Continue acompanhando e não esqueça de compartilharshare-facebook-200

Leia também

Comentários

comentários

Open