Titanomaquia, a Guerra dos Titãs

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

mitologia-grega-titanomaquiaA Titanomaquia, segundo a mitologia grega, é a guerra que aconteceu entre os Deuses do Olimpo e os Titãs. A batalha foi liderada por Cronos, do lado dos titãs e do outro lado, estavam os deuses liderados por Zeus.

O resultado dessa batalha viria a decidir quem iria governar o universo.

Mas, para entender o resultado dessa batalha é preciso entender como tudo começou e se desenrolou para chegar a esse ponto.

Sendo assim, continue lendo e descubra tudo sobre a Titanomaquia.

mitologia-grega-titanomaquia3Titanomaquia: Como tudo começou

A história que leva à guerra dos Titãs começa quando Urano, que era a personificação do Céu, se casa com Gaia, a personificação da Terra.

Dessa união nascem 12 filhos, sendo 6 homens, que são os Titãs e 6 mulheres, que são as Titânides.

Leia mais em: Titãs da mitologia grega, a primeira geração

Urano era muito possessivo e sempre temeu que algum dos seus descendentes tentassem roubar o trono que lhe pertencia. Sendo assim, sempre que um filho nascia ele o inseria no útero de Gaia novamente.

Gaia, cansada com toda essa situação, além do forte ciúme de Urano, instigou os filhos para que se revoltassem contra o pai.

De todos eles, Cronos foi o único que teve coragem de se opor a Urano. Sendo assim, conseguiu se libertar do ventre da mãe na hora em que ela e Urano estavam copulando e usou uma foice para extrair os órgãos genitais do pai.

Conta a história que ao tocar a Terra, o sangue de Urano gerou as montanhas, os mares, as florestas e também as Erínias, que eram a personificação da vingança. Além disso o seu esperma gerou Afrodite.

Depois de fazer isso, Cronos consegue libertas seus irmãos e se casa com uma delas, a Titânide Réia.

Um detalhe importante dessa história é que Urano também profetizou que, assim como ele, o seu usurpador também seria destronado por um de seus filhos, repetindo a história em outra geração.

Essa profecia mexeu com Cronos e por isso ele exigia que os seus filhos fossem entregues a ele para que os devorassem.

Réia, sem muita opção, acaba entregando todos os filhos, exceto o último que era Zeus. No lugar do filho recém-nascido ela entrega uma pedra para que Cronos engula.

Há ainda uma outra versão; uma história que afirma que Reia também salva Poseidon e Hera, dando um potro para Cronos devorar no lugar do deus dos mares. Enquanto a Hera é deixada aos cuidados de Oceano, Tétis e das Horas.

De volta a Zeus, Réia o entrega para ser criado pelas ninfas, que são seres elementares.

Já crescido, Zeus arruma um disfarce e faz com que o pai tome uma poção e vomite todos os seus irmãos já adultos.

mitologia-grega-titanomaquia2A batalha da Titanomaquia

É aqui que podemos dizer que a luta começa de fato, pois Zeus, sendo apoiado pelos irmãos, inicia uma grande guerra contra seu pai, Cronos, travando uma batalha que dura 10 longos anos.

Nessa guerra os deuses se colocaram no monte Olimpo, enquanto seus adversários, os titãs, ficaram no monte Ótris.

Vale lembrar que Zeus ainda contou com a ajuda dos ciclopes, que foram os responsáveis pelo fornecimento de armas.

Hesíodo, poeta da antiguidade, descreve a luta como uma luz que faz confundir o céu e a terra em uma coisa só. Um tumulto tão grande da terra sendo esmagada e do céu se precipitando sobre ela. Era o barulho da luta dos deuses.

Continuando a descrever, Hesíodo ainda diz que os ventos se sacudiam e erguiam o pó ao mesmo tempo em que trovoes, raios e relâmpagos ardiam, pois eram as armas de Zeus que levavam os combatentes aos gritos.

Seguindo os acontecimentos, Zeus, do alto do monte Olimpo, disfere um raio contra os Titãs e faz com que a terra inteira trema.

De um lado estavam os gigantes hecatônquiros, libertados pelos deuses, que arrancavam as montanhas para arremessar contra os Titãs.

Do outro lado os Titãs lutavam e resistiam como podiam contra todos os deuses.

O fato é que a guerra estava levando os habitantes do Olimpo à vitória. Entretanto, como um de seus últimos recursos, os Titãs lançaram mão de uma nova arma diretamente das profundezas.

mitologia-grega-titanomaquia4É então que, saindo do tártaro, surge Tifão, criatura colossal dos ventos fortes que provoca Zeus para um último desafio antes que os deuses possam reinar no universo.

Tifão consegue escalar o Olimpo e provoca a fuga de todos os deuses, exceto Atena, que consegue contê-lo por algum tempo, enquanto Zeus e os outros se refugiam no Egito.

Finalmente o monstro colossal consegue alcançar Zeus e lhe arranca as pernas e braços, deixando-o totalmente debilitado.

Com um plano infalível e com a ajuda dos outros deuses, Zeus consegue recuperar seus músculos.

Muito tempo se passa na maior batalha de todos os tempos entre Zeus e Tifão, até que o deus dos deuses consegue concentrar toda a sua energia em um único ponto e lança um forte raio que atinge Tifão fazendo com que ele caia nas profundezas do tártaro novamente, levando os demais Titãs com ele.

Assim, vitoriosos, Zeus se torna o rei do universo e os deuses do Olimpo banem definitivamente os Titãs para o tártaro, juntamente com Érebo.

Vale lembrar que alguns Titãs não participaram da Titanomaquia, tais como Oceano, Ceos, Tétis, Mnemosine, Têmis e Prometeu. Isso faz com que sejam incorporados, futuramente, ao panteão grego.  share-facebook-200

Leia também

Comentários

comentários